Rua Pedroso Alvarenga, 584 – Itaim Bibi, São Paulo, SP  |  (11) 99717-7493

Consequências do excesso de ferro no organismo

por 31 jul, 2023

São diversas as consequências do excesso de ferro no organismo, mas nem todo mundo as conhece.

Embora o ferro seja essencial para o corpo, algumas pessoas podem acumular quantidades excessivas do mineral no sangue.

Essa sobrecarga é perigosa, pois pode levar a danos em diversos órgãos e cada parte do corpo é afetada de forma diferente.

Neste artigo, explico o tema de forma clara para que você entenda os riscos e saiba identificar a hora de procurar um médico.

O que pode causar excesso de ferro no sangue?

O alto nível de ferro no organismo pode ser causado por transfusões sanguíneas frequentes ou uso de suplementos vitamínicos, anemias hemolíticas, alcoolismo ou por talassemia.

Outra condição que causa esse desequilíbrio é a hemocromatose genética, mas falarei mais sobre isso no próximo tópico.

Quando há uma grande absorção, mas de forma gradual de ferro pelo corpo, o excesso é distribuído para os tecidos por todo o organismo.

Nesse caso, se o acúmulo acontecer nos órgãos endócrinos como fígado ou no coração, pode haver sérias complicações.

Por outro lado, a ingestão de grandes quantidades de ferro de uma vez também é extremamente perigosa. O envenenamento por ferro causa danos ao trato digestivo, fígado, coração e cérebro, podendo levar à morte.

Diante desses riscos, é essencial sempre consultar um médico e não se automedicar.

Hemocromatose e o excesso de ferro no sangue

A hemocromatose é uma condição em que o organismo acumula ferro. Essa doença resulta de uma mutação genética que afeta a absorção ou eliminação adequada do mineral, causando o desequilíbrio.

Além da hemocromatose hereditária, que é o tipo mais prevalente, existem outras variações, incluindo a hemocromatose secundária.

Esta segunda é a forma mais grave e é observada em pacientes com anemias hemolíticas ou que passam por múltiplas transfusões sanguíneas.

O diagnóstico da hemocromatose é composto por exame de sangue e em alguns casos por teste genético.

Como existem muitos tipos de hemocromatose, apenas uma avaliação médica poderá constatar a sua presença e o tipo, mas, antes, ele irá analisar outros sintomas associados e o seu histórico.

Esse contato é fundamental, pois assim o médico poderá pedir exames assertivos para investigar a causa dos seus sintomas.

Sintomas do excesso de ferro no organismo

Os primeiros sintomas geralmente são observados em homens entre 30 e 50 anos e em mulheres após a menopausa, devido à perda de ferro durante a menstruação. Esse grupo precisa estar ainda mais atento aos sinais.

Abaixo você confere uma lista mais precisa sobre os sintomas do excesso de ferro no sangue:

  • cansaço;
  • fraqueza;
  • impotência;
  • dores no abdômen;
  • emagrecimento inexplicado;
  • dor nas articulações;
  • queda de cabelo;
  • alterações nos ciclos menstruais;
  • arritmias;
  • inchaço;
  • atrofia testicular.

Como você pode perceber, os sintomas são muito parecidos com os da falta de ferro no sangue, especialmente os primeiros: cansaço e fraqueza.

Por isso, antes de correr na farmácia para se automedicar é essencial se consultar com um médico e fazer exames.

Você corre sérios riscos se inserir mais ferro no seu organismo, que já está saturado. Apenas um profissional é capaz de indicar a inserção ou remoção de suplementos, independentemente de qual seja. 

Como medir o ferro no organismo?

Os níveis de ferro no sangue podem ser medidos por meio de exames que revelam a quantidade de ferro circulante e de ferritina contidas no corpo.

É essencial realizar o acompanhamento regular dos níveis de ferro em casos de hemocromatose, histórico familiar de excesso de ferro ou alcoolismo, visando prevenir complicações.

Ademais, é preciso estar cientes dos sintomas como fraqueza, dor abdominal e emagrecimento inexplicado. Esses são sinais de alerta para procurar ajuda médica.

O alto nível de ferro no organismo só pode ser constatado através de exames laboratoriais. Não se coloque em risco se automedicando.

Consequências do excesso de ferro no organismo

O acúmulo de ferro em níveis elevados no sangue pode levar a danos em vários órgãos, causando diferentes patologias. Por exemplo: 

  • cirrose (fígado);
  • diabetes (pâncreas);
  • insuficiência cardíaca (coração); e 
  • disfunções hormonais (glândulas).

Além disso, o acúmulo de ferro também pode acelerar o processo de envelhecimento devido ao aumento de radicais livres nas células, afetando principalmente o fígado e causando disfunção hepática.

É importante procurar um médico caso sejam observados sintomas de excesso de ferro ou se a pessoa tiver histórico de anemia ou transfusão sanguínea, para que os níveis de ferro sejam avaliados e possíveis complicações sejam prevenidas.

Como corrigir o excesso de ferro no organismo?

O tratamento para reduzir os níveis de ferro no sangue envolve a flebotomia (retirada de sangue), alterações na dieta para evitar alimentos ricos em ferro e o uso de suplementos quelantes de ferro.

Em todos os casos é fundamental buscar orientação médica para um tratamento adequado e personalizado.

Conclusão

O excesso de ferro no organismo pode levar a sérias complicações em diferentes órgãos, causando danos e disfunções. 

A hemocromatose, uma condição genética que afeta a absorção ou eliminação do ferro, é uma das principais causas desse desequilíbrio.

Se você apresenta sintomas, possui histórico de anemia ou transfusões sanguíneas, é recomendado buscar orientação médica para avaliar os níveis de ferro e prevenir possíveis complicações.

Agende uma consulta com um médico especialista e cuide da sua saúde de forma adequada e personalizada.

Sobre o autor

Dr. Filipe Fontes

Médico - Endocrinologia

  • Clínica médica
  • Endocrinologia e metabologia
  • Emagrecimento, obesidade, gordura localizada
  • Performance e ganho de massa
  • Melhora da libido e disposição
  • Terapias injetáveis
  • Reposição hormonal e qualidade do sono
  • Tireóide, diabetes e sarcopenia

Dr. Filipe Fontes

Médico - Endocrinologia

  • Clínica médica
  • Endocrinologia e metabologia
  • Emagrecimento, obesidade, gordura localizada
  • Performance e ganho de massa
  • Melhora da libido e disposição
  • Terapias injetáveis
  • Reposição hormonal e qualidade do sono
  • Tireóide, diabetes e sarcopenia

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *