Rua Pedroso Alvarenga, 584 – Itaim Bibi, São Paulo, SP

Alimentação anti-inflamatória: valiosas dicas para combater doenças

por 15 set, 2023

A alimentação anti-inflamatória é uma forma fácil, econômica e natural de manter a saúde, aumentar a imunidade e prevenir sérias doenças.

Esse hábito alimentar não só ajuda a combater inflamações no corpo, como também alivia sintomas físicos se alguma doença já tiver se instalado, como diabetes e fibromialgia, por exemplo.

Descubra, agora, como a dieta anti-inflamatória funciona, o que comer, o que evitar e quais benefícios você irá colher.

O que é a dieta anti-inflamatória?

Além de aliviar a inflamação, essa dieta também pode ajudar a prevenir uma série de problemas de saúde como câncer, diabetes, colesterol elevado e problemas cardíacos.

A ideia é simples: você escolhe alimentos ricos em substâncias que ajudam a balancear os níveis de hormônios que combatem a inflamação. 

Ao fazer isso, você está ajudando seu corpo a desintoxicar e funcionar melhor, aliviando ou mesmo prevenindo os desconfortos ligados à inflamação.

Ou seja, não se trata de uma dieta meramente emagrecedora, mas sim de um estilo de vida que melhora seu bem-estar.

O que são alimentos anti-inflamatórios?

A alimentação anti-inflamatória consiste no consumo de uma grande variedade de alimentos, principalmente frutas e verduras, e o uso de óleos mais saudáveis, como o azeite de oliva extra virgem.

Dessa forma, abaixo você confere uma lista de alimentos anti-inflamatórios e os benefícios que eles trarão ao seu organismo. 

  • Peixes como salmão, sardinha e atum, que são ricos em ômega-3.
  • Nuts e legumes, como amêndoas, castanhas e vários tipos de feijão.
  • Grãos saudáveis e sementes, como quinoa e chia.
  • Frutas ricas em vitamina C, incluindo acerola, kiwi e laranjas.
  • Gengibre, que é excelente para o sistema imunológico.
  • Inhame, reconhecido por suas propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes.
  • Alho e cebola, excelentes para combater inflamações e ricos em antioxidantes.

Não se esqueça dos alimentos ricos em ácidos graxos monoinsaturados, como abacate e azeitonas. Estes alimentos não só fortalecem seu sistema imunológico, mas também oferecem outros benefícios à saúde.

Agora que você entendeu como a dieta funciona e quais os alimentos permitidos, entenda como os alimentos inflamatórios agem no seu corpo e o quão prejudicial eles são.

Alimentação anti-inflamatória: como os alimentos podem prejudicar o organismo?

Uma dieta rica em toxinas e ingredientes que promovem inflamação pode levar a problemas de saúde a longo prazo, como câncer, colesterol alto, ganho de peso e até artrite reumatóide.

Ao ingerir alimentos processados, com aditivos químicos ou proteínas difíceis de digerir, o corpo responde liberando sinais de inflamação. Isso acontece porque o sistema imunológico ‘se assusta’ e entra em modo de defesa.

Na tentativa de se proteger contra essas substâncias nocivas, o corpo libera células de defesa, conhecidas como glóbulos brancos, para tentar neutralizar ou remover essas substâncias.

Sintomas causados por alimentos inflamatórios

O consumo frequente de alimentos inflamatórios pode desencadear sintomas desagradáveis no corpo que podem se manifestar de várias maneiras:

  • cansaço;
  • desânimo;
  • dores de cabeça;
  • pele avermelhada; e
  • músculos doloridos.

Certamente, você deve estar se perguntando quais alimentos são tão prejudiciais a ponto de causar inflamação. 

Então, para te ajudar, preparei uma lista de comidas inflamatórias que é melhor evitar e você avessa a seguir.

Alimentos inflamatórios que você precisa evitar

Para manter uma alimentação mais saudável e reduzir o risco de problemas de saúde como obesidade, câncer e diabetes, é bom ficar atento aos alimentos que podem causar inflamação no corpo. 

Aqui estão os principais “culpados”:

  • fast food e lanches ricos em gordura saturada, como pizza e nuggets; 
  • produtos lácteos gordurosos como queijos fortes e leite integral;
  • carnes processadas, como presunto e salsicha;
  • alimentos e bebidas açucaradas, como refrigerantes, sucos de caixinha e doces como bolos e biscoitos;
  • carnes vermelhas, incluindo cortes de boi, cordeiro e porco.

Há outros itens que você pode querer considerar, como bebidas alcoólicas, especialmente cerveja, alimentos prontos como macarrão instantâneo e sobremesas como sorvetes.

Alimentação anti-inflamatória: dicas para inserir no seu dia a dia

A dieta anti-inflamatória se baseia em escolher alimentos que combatem a inflamação no corpo, ajudando a prevenir doenças crônicas e a promover o bem-estar. 

Para incorporar essa dieta ao seu cotidiano, aqui estão os 5 principais passos a seguir:

  • Planejamento de refeições: comece por fazer um planejamento de refeições semanais. Isso permite que crie refeições equilibradas. Ter um plano torna mais fácil resistir às tentações.
  • Priorize frutas e vegetais: aumente a ingestão de frutas e vegetais frescos em todas as refeições. Esses alimentos são repletos de antioxidantes e compostos anti-inflamatórios que beneficiam a saúde. 
  • Opte por grãos integrais: substitua os grãos refinados por opções integrais, como quinoa, aveia integral, arroz integral e pão integral. Os grãos integrais são ricos em fibras e nutrientes que combatem a inflamação.
  • Escolha proteínas de qualidade: inclua peixes gordurosos, como salmão e sardinha, que são ricos em ácidos graxos ômega-3, além de leguminosas, como feijões e lentilhas, como fontes de proteína saudável.
  • Gorduras saudáveis: troque gorduras saturadas por opções saudáveis como abacate, nozes e sementes. Essas gorduras têm propriedades anti-inflamatórias.

A dieta anti-inflamatória promove a saúde e previne doenças, mas é importante buscar orientação profissional para um plano alimentar personalizado. 

Conclusão

A dieta anti-inflamatória é uma forma simples e natural de melhorar sua saúde e bem-estar. Ela foca em alimentos que fazem bem para o corpo, ajudando a reduzir o inchaço e a irritação que podem surgir de uma dieta desequilibrada. 

Para isso, o ideal é consumir peixes como salmão e atum, além de frutas repletas de vitamina C e uma variedade de legumes frescos.

Essa abordagem pode ser especialmente útil se você está lutando contra sintomas incômodos como cansaço, dores de cabeça ou dores musculares.Por fim, se você precisa de ajuda profissional para traçar um plano alimentar personalizado, fale com a FGH Medicina agora mesmo e inicie uma mudança de vida efetiva e duradoura.

Escrito por Dr. Filipe Fontes

Médico – CRM200152
Clínica médica • Endocrinologia

Especialista em emagrecimento, reposição hormonal e qualidade de vida.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *